segunda-feira, janeiro 15, 2007

may be.


Deitada na sua cama, abafada nas mantas, permanecia parada, pensativa.
Fora naquele dia que tudo começara verdadeiramente. Aquele carro, aquela música. Outrora com um constante medo da vida, e sem nunca saber o que fazer a seguir, suspirou e fez-se à estrada, chorando copiosamente. Abrira a janela de par em par e os seus cabelos flamejantes ao vento deixaram-se ir, livres e brilhantes, resistentes a tudo.
Toda a sua vida se surgiu perante si, como um filme que jamais alguém ousara cortar. Uma vivência de um só take, observada, inóspita, feliz, amargurada e resignada. Uma mistura ambivalente de sentimentos que agora sentia serem parte da vida, estrada que foi desbravando aos poucos.
Fora perdendo aqueles que jamais a tinham perdido. Revolta inicial, decerto. Anos e anos sem saber o que fazer, bradando aos ventos, levantando as mãos para o alto, sem consolo que a erguesse da letargia que insistia em alheá-la do mundo dos vivos. Mas percebia agora, na calma da sua idade, todo o significado de uma vida: a morte. Ela estava sempre aguardando, cajado na mão para não se cansar e barrete na cabeça para passar despercebida. Não adiantava gritar-lhe, tentar evitá-la ou afogá-la em lágrimas de dor por quem perecera perante a Força. The show must go on. O Verdadeiro Caminho estava noutra direcção, produzir algo de útil enquanto não fechávamos os olhos e nos calávamos para sempre, mudos de espanto. Se não útil para os outros, pelo menos útil para nós, que nos realizasse e deixasse viver de queixo erguido e passada decidida e demolidora. Uns têm mais tempo, outros extinguem-se ao virar da esquina, tropeçando na velha senhora. Mas todos tentavam aproveitar e queimaram-se alegremente, tal como ela, porque sem queimaduras, como sabemos que estamos vivos?
Tentou remexer-se mais uma vez, mas não foi capaz, e, num último suspiro de vida, sorriu com os olhos, docilmente, fechando-os depois para sempre, que o caminho fora longo e as saudades de quem tinha perdido estrada inóspita fora eram mais que muitas.

6 comentários:

Anónimo disse...

Como eu gosto dela :)

Cate disse...

Gostei do texto, oh tu que és alto.*

Cate disse...

agora já sei o segredo da "Mariana"!

Hizys disse...

antes de acabar quero semicerrar os olhos e ver entre frestas ainda o que mais me fez inspirar de sonho.

o meu afilhado tem um blog =)

chandler. disse...

com uma madrinha escritora, só podia! :)

Mr. MyShadow disse...

além da foto, é como o fim mais fantástico de uma série, nunca antes visto. Confesso que deitei a lágrima com este final dos sete palmos de terra.